(31) 3228-3333

COLUNA DO DR. RODRIGO BUSTAMANTE - Vivendo e Aperfeiçoando

Ações de enfrentamento da criminalidade violenta e da atuação de organizações criminosas foram ininterruptas e resultaram em 1.358 operações deflagradas entre janeiro e outubro.

Embora 2020 tenha sido um ano atípico para muitas atividades devido à pandemia, os serviços de investigação e Polícia Judiciária de atribuição da Polícia Civil (PCMG) não pararam um só dia. As ações de enfrentamento da criminalidade violenta e da atuação de organizações criminosas foram ininterruptas e resultaram em 1.358 operações policiais deflagradas em todo o Estado entre janeiro e outubro. 

No período, 3.400 suspeitos de prática de crimes foram presos. No que diz respeito a procedimentos policiais concluídos – como inquéritos, autos de prisão e de apreensão em flagrante, Termos Circunstanciados de Ocorrência (TCOs) e pedidos de medidas protetivas –, a produtividade chega a 297,4 mil, alcançando todos os departamentos da PCMG (territoriais e especializados), em dez meses. 

Além da parte operacional, a PCMG, por meio da Superintendência de Informações e Inteligência Policial (SIIP), implementou ferramentas para otimizar os sistemas usados nas atividades de investigação e Polícia Judiciária. Entre os resultados positivos destaca-se o acesso a um número maior de informações de indivíduos, como dados relacionados com o cumprimento de pena e intercorrências no sistema carcerário, e às decisões judiciais, a exemplo de arquivamento de inquérito policial, recebimento de denúncia, absolvição e condenação. 

A integração de sistemas da PCMG e do Tribunal de Justiça (TJMG) deu rapidez na comunicação de atos processuais entre as instituições. Na área de violência doméstica, a Polícia Civil tem acesso às medidas protetivas concedidas pelo Judiciário, agilizando a ratificação de prisão em flagrante por descumprimento, sem necessidade de a vítima apresentar o documento ou que o delegado solicite a informação à Justiça. Outro ganho é a tramitação dos alvarás de soltura por meio eletrônico, com redução de tempo e economia, preservando a segurança da informação.

A emissão de carteiras de identidade, por meio do Instituto e Postos de Identificação, somou mais de 623 mil documentos no Estado até outubro. Mesmo durante o período mais crítico da pandemia, o serviço continuou com prioridade para situações urgentes, como para solicitar medicamentos ou consulta, dentre outros.

Também foram realizados pela Academia de Polícia Civil (Acadepol-MG) cursos de capacitação, como de saúde mental em tempos de pandemia, violência doméstica e crimes cibernéticos – na modalidade de Ensino a Distância, com a capacitação de 37,7 mil pessoas, até outubro, entre servidores e público externo. 

O mundo mudou, mas a Polícia Civil não – pelo contrário, se aperfeiçoou. Que 2021 seja um ano melhor, pois continuaremos próximos de vocês.